Entrar



Archive for agosto, 2010

Drama no RS – baleia jubarte encalha novamente

agosto 25th, 2010 by

A baleia jubarte que foi libertada de um banco de areia na praia de Capão Novo, litoral norte do Rio Grande do Sul, voltou a encalhar na manhã desta quarta-feira. Membros do Batalhão Ambiental da Polícia Militar (PM), que acompanhavam o animal desde a tarde de terça, afirmam que a baleia ficou presa novamente por volta das 7h.

“Até o final da madrugada, por volta das 6h, ela ainda estava nadando próximo da costa, mas em seguida ela se aproximou e voltou a encalhar”, disse o soldado Elcio Ferrari Fagundes. De acordo com ele, a respiração do animal é bem fraca e ele acredita que a morte deve ocorrer em questão de horas.

Ele disse, porém que as equipes que auxiliaram no resgate de terça-feira estão retornando ao local para decidir o que fazer. Segundo ele, apenas os biólogos do Ceclimar, órgão da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), poderão avaliar o quadro de saúde da jubarte.

Operação de resgate foi considerada um sucesso, mas animal voltou à costa após menos de 24 horas

Foto: Agência Freelancer/Especial para Terra

Fonte: Terra

Sol e calor

agosto 24th, 2010 by

Tarde de sol e calor às margens do Rio Biguaçu, na Marina Pier 33.

Perfeito para uma cerveja bem gelada…

Mesas do bar na beira do rio
Rio Biguaçu
As aves

Barcos de pescadores
Nem parece que estamos no inverno

O tom avermelhado do sol é causado pela fumaça das queimadas no centro do país

Um belo final de tarde

Fotos: Ararê

Equipes desencalham baleia de praia no RS

agosto 24th, 2010 by

Jubarte tem 11 metros de comprimento e pesa de 20 a 25 toneladas.
Animal foi arrastado para alto-mar por duas embarcações.

Equipes do Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar Ambiental e biólogos conseguiram desencalhar, na tarde desta terça-feira (24), a baleia jubarte que estava em uma praia do município de Capão da Canoa, no Rio Grande do Sul. O animal, que pesa de 20 a 25 toneladas e tem 11 metros de comprimento, estava encalhado desde a tarde de sábado (21).

Segundo a Polícia Ambiental, duas embarcações arrastaram a baleia para alto-mar. A jubarte está a cerca de 150 metros da areia.

A Polícia Ambiental e biólogos vão monitorar o animal pelas próximas 24 horas.

Fonte: G1

Furacão ganha força e alcança categoria 2 no Atlântico

agosto 24th, 2010 by

O furacão Danielle ganhou força nesta terça-feira no Atlântico e alcançou a categoria dois, com ventos de até 160 km/h, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC) americano. Imagens de satélite do órgão americano de observação oceânica e atmosférica, o NOAA, mostraram a tempestade sobre as águas próximas à América Central.

O furacão – o segundo da temporada no Atlântico – permanece “em alto-mar”, mas pode ameaçar o arquipélago das Bermudas o fim de semana, afirma um comunicado do NHC. A tormenta pode se tornar um furacão de categoria três na quarta-feira.

O furacão Danielle, que está sobre o Atlântico, pode chegar à categoria três na quarta-feira
Foto: AFP
Fonte: Terra


Baleia jubarte encalha no RS

agosto 23rd, 2010 by

Uma baleia da espécie Jubarte está encalhada desde sábado no litoral norte do RS na praiade Capão Novo. Até agora várias tentativas de desencalhá-la não deram certo.

Abaixo, as matérias do ClicRBS:

Baleia encalha no Litoral Norte

22/08/2010 | 14h51min

Animal ficou preso em um banco de areia

Uma baleia está encalhada no Litoral Norte desde sábado. O animal teria ficado preso em um banco de areia na altura da divisa dos municípios de Arroio Teixeira e Capão Novo. Moradores da região relataram que o animal se encontra a cerca de 30 metros da areia e que é possível chegar até ele com água na altura da cintura.

Segundo Roberto da Silva Afonso, 43 anos, morador de Sapucaia do Sul que foi passar o final de semana em Atlântida, um grupo se reuniu para tentar desencalhar a baleia.

— Tem bastante água onde a baleia está, mas temos medo que ela morra com o tempo. O pessoal está reunido em torno da baleia, quem sabe consigam tirar o animal de lá — afirmou.

Acionado por moradores da região, o 1ª Batalhão Ambiental, locado em Xangri-lá, enviou uma viatura para o local com um biólogo do Centro de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos (CECLIMAR). O objetivo é avaliar as condições do animal.

Animal ficou preso em um banco de areia próximo à beira da praia – Dirceu Moraz, Leitor-repórter

Baleia encalhada no Litoral Norte pode estar doente, diz biólogo do Ceclimar

22/08/2010 | 16h37min

Apesar de não apresentar marcas externas, animal preso em banco de areia mostra fragilidade

A baleia encalhada desde sábado, no Litoral Norte, foi observada na tarde deste domingo por um biólogo do Centro de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos (CECLIMAR). Encaminhado até o local por uma viatura do 1ª Batalhão Ambiental da Brigada Militar, o biólogo Maurício Tavares fez uma pré-análise das condições do animal, que pode ter se aproximado da costa por estar doente.

— Aparentemente, se trataria de uma baleia jubarte, uma espécie que no Rio Grande do Sul não costuma se aproximar da costa. Provavelmente, o animal deve estar doente e talvez por isso tenha encalhado no banco de areia, porque está debilitado — constatou o biólogo, coordenador do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres e Marinhos e pesquisador do Grupo de Estudos de Mamíferos Aquáticos do Rio Grande do Sul (GEMARS).

Tavares afirmou que uma tentativa de rebocar a baleia prejudicaria o estado do animal, que já se mostra muito debilitado.

— Vamos esperar até amanhã para ver se, com a alta da maré, ela consegue se desprender sozinha. Se ela permanecer no local, vamos reavaliar a situação para decidir quais medidas tomar — disse.

O biólogo fez um alerta, pedindo que curiosos e pescadores evitem as tentativas de deslocar a baleia, pois essa agitação causaria mais estresse e as cordas poderiam machucar o animal.

Biólogo fez alerta pedindo que curiosos e pescadores evitem as tentativas de deslocar a baleia
Foto: Ronaldo Bernardi

Equipe de biólogos trabalha na remoção de baleia Jubarte encalhada em Capão Novo

23/08/2010 | 08h52min

Animal está preso em um banco de areia desde sábado

Uma equipe de seis biólogos do Centro de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos (Ceclimar) partiu de Imbé para Capão Novo a fim de estudar a melhor maneira para desencalhar uma baleia Jubarte que se encontra presa em um banco de areia desde sábado.

Observada no domingo, o cetáceo pode estar doente, segundo avaliação do biólogo Maurício Tavares.

— Aparentemente, se trataria de uma baleia jubarte, uma espécie que no Rio Grande do Sul não costuma se aproximar da costa. Provavelmente, o animal deve estar doente e talvez por isso tenha encalhado no banco de areia, porque está debilitado — disse Tavares.

Curiosos já estão dentro da água, próximos à baleia, que de tempos em tempos mexe a cauda e a barbatana. Ela está a uma distância de 50 metros da orla e é possível chegar perto dela com água na cintura.

Por volta das 9h25min, a equipe do Ceclimar entrou no mar para verificar a frequência cardíaca e possíveis lesões no animal. Mesmo que a baleia consiga desencalhar, é difícil saber se o animal irá sobreviver.

— O fato de ela estar viva não signifca dizer que ela está bem. Não é natural que um bicho desses apareça aqui. Como ele é muito grande, pode ser que tenha algum órgão prejudicado. É extremamente complicado dizer se ela vai sobreviver, mesmo se ela desencalhar — aponta Tavares.

Biólogos tentarão usar equipamentos flutuantes para desencalhar baleia

23/08/2010 | 18h54min

Objetivo é tentar levantar o mamífero para colocar um equipamento com mangueiras e bombonas de ar que serão usadas para rebocá-lo para dentro do mar

Biólogos do Ceclimar trabalharam o dia inteiro para salvar a baleia
Foto: Ronaldo Bernardi

Não deu certo a tentativa do Centro de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos (Ceclimar) de conseguir um guincho de uma empresa particular para tentar içar a baleia que está encalhada na praia de Capão Novo. Segundo o biólogo Maurício Tavares, o equipamento não tem capacidade para suportar o animal, que pesa cerca de 25 toneladas.

A alternativa será um barco da Petrobras, que virá na manhã desta terça-feira de Capão da Canoa com um equipamento adequado. O objetivo é tentar levantar o mamífero para colocar um equipamento com mangueiras e bombonas de ar que serão usadas para rebocá-lo para dentro do mar.

— O guindaste que veio até aqui era pequeno e tinha risco e tombar na praia. Como ela está colada na areia, tivemos a ideia de forrá-la para que flutue até o mar, e não seja puxada pela nadadeira.

A preocupação de Tavares é com a vida da baleia, por isso será feita uma análise antes de serem retomadas as atividades do Ceclimar, do Corpo de Bombeiros e da Petrobras nesta terça-feira, por volta das 7h. Uma equipe da Brigada Militar ficou no local para monitorar o animal.

Fonte: ClicRBS

Baleias e seus filhotes

agosto 21st, 2010 by

Na Praia da Solidão, em Florianópolis, duas Baleias-franca com seus filhotes bricavam a poucos metros da praia.

Ficavam subindo e descendo nas ondas. Não pareciam se preocupar com nada.

Um belo espetáculo para poucos observadores que estavam por ali..

Praia da Solidão
Baleia e seu filhote – notem o vapor d’água da expiração do filhote
Vapor da expiração
Baleia – de longe, parece uma pedra no meio do mar
Cabeça fora da água
Orifício respiratório da baleia
Filhote expelindo o ar
Bem perto da praia
As duas mães com os dois filhotes
Nadadeira caudal para fora da água, de lado
Todas juntas – os filhotes não saem de perto da mãe nem um minuto
Nadadeira caudal do filhote
Bem perto da arrebentação
Filhote com a cabeça fora da água

Fotos: Ararê

Pinguins reabilitados pela Polícia Ambiental são soltos no mar em Florianópolis

agosto 20th, 2010 by

Animais devem seguir viagem rumo à Patagônia

Eles foram soltos perto da Ilha do Xavier, em frente à Praia Mole, em Florianópolis – Hermínio Nunes

Doze pinguins reabilitados pela Polícia Ambiental foram soltos na manhã desta sexta-feira perto da Ilha do Xavier, em frente à Praia Mole, em Florianópolis. Os animais devem seguir viagem para a Patagônia.

As aves, da espécie pinguim-de-magalhães, foram resgatadas em praias da Costa catarinense nos últimos meses debilitadas e com hipotermia. Empurrados por correntes marítimas, os animais, originários da Patagônia, no Sul da Argentina, acabam sendo levados para o Litoral Sul do país.

Segundo Cleber Machado, da Polícia Ambiental, alguns se perdem do bando, geralmente os mais jovens, e ficam fracos por conta da dificuldade de conseguir alimentos sozinhos.

Os animais foram encaminhados para tratamento no Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), no bairro Rio Vermelho, onde foram hidratados por meio de sondas e alimentados até chegar ao peso ideal.

No período em que estiveram sob cuidados da Polícia Ambiental, foram mantidos numa piscina e acompanhados por veterinários. Segundo os especialistas, os animais tinham a capacidade de impermeabilidade das penas prejudicada e receberam tratamento para recuperá-la.

Quando saudável, as penas do pinguim funcionam como isolante térmico, mantendo a temperatura do corpo e impedindo que a água gelada chegue até a pele do animal.

DIARIO.COM.BR

Mais uma lancha pega fogo

agosto 19th, 2010 by

Incêndio ocorreu nesta quinta (19), na Ilha de Saracura, dizem bombeiros.
Trabalho para apagar o fogo durou cerca de 30 minutos; não há feridos.

Uma lancha pegou fogo na tarde desta quinta-feira (19), na região de Angra dos Reis, no Sul Fluminense. De acordo com os bombeiros, o acidente ocorreu na Ilha de Saracura, na Baía de Ilha Grande, e o trabalho para apagar o fogo durou pelo menos 30 minutos. Ainda segundo os bombeiros, não houve feridos. Os tripulantes da lancha foram socorridos por embarcações que passavam perto do local na hora do incêndio.

Lancha pega fogo na Ilha Grande

(Foto: Stéphanie Afonso/Arquivo Pessoal)

Fonte: G1

Parabéns colorado !!!!

agosto 19th, 2010 by


Vi lá no Blog da Metsul e tive que colocar aqui também!!!

Novo trapiche da Beira-Mar Norte, em Florianópolis, custará R$ 1 milhão

agosto 18th, 2010 by

Local privilegiará visitantes e pescadores que usam principalmente redes de tarrafas (sempre achei que deveria privilegiar os barcos, mas tudo bem…)

Na próxima semana começam as obras do novo trapiche da avenida Beira-Mar Norte em Florianópolis. As estacas em concreto estão sendo produzidas em uma empresa de pré-moldados na Ponte de Imaruim, em Palhoça. Com custo de R$ 1 milhão, o novo trapiche terá 5m30cm de largura e 61m80cm de comprimento. Pouco maior do que o antigo, interditado por falta de segurança em 2006. (porque não aproveitar e fazer um maior, com bares e restaurantes sobre a água?)

Antigo trapiche, já demolido, dará lugar a outro quase igual. Foto: Ararê

O local, um dos pontos turísticos da Ilha de Santa Catarina, privilegiará visitantes e pescadores que usam principalmente redes de tarrafa. A previsão é de que seja entregue ao público no final de outubro. Mesmo que a revitalização da via não esteja totalmente concluída.

Capacidade

A capacidade é para receber simultaneamente três embarcações com cerca de 70 toneladas cada. A prefeitura promete uma infraestrutura adequada para o local.

— O projeto inclui proteção metálica para evitar a ação da maresia e iluminação cênica nos moldes da que existe na Ponte Colombo Salles (roxa???) — diz o secretário de Obras Luiz Américo.

Sobre o preço da obra, que teve custo divulgado na imprensa em R$ 4 milhões, o secretário diz:

— Desconhecemos a fonte da informação. Se custasse R$ 2 milhões já seria caro — sugere.

A nova estrutura faz parte das obras de revitalização da Beira-Mar Norte, que teve um custo inicial estimado em R$ 7,5 milhões. Mas o valor total passou para R$ 9 milhões, sendo R$ 6 milhões da Celesc e R$ 3 milhões da prefeitura.

Cópia do projeto

O anúncio do novo trapiche chamou a atenção da Associação Catarinense de Marinas, Garagens Náuticas e Afins (Acatmar), que solicitou uma cópia do projeto para a prefeitura. Ernesto São Thiago, da Comissão de Gerenciamento Costeiro no litoral de Santa Catarina explica os motivos:

— Como usuários gostaríamos de ter acompanhado o projeto. De acordo com infraestrutura, equipamentos, acessórios e do tipo de estaqueamento (se for solo rochoso é um preço, se for um lodo sem fim custa muito mais), os custos podem variar bastante.

Além disso, diz, uma rede de trapiches na Ilha e no Continente estimularia o uso de embarcações, a formação da mentalidade marítima e a educação ambiental:

— As pessoas, mesmo que não tenham um barco, teriam a chance de estar mais próximo do mar.

Nos cálculos da Acatmar, a cidade precisa de mais uns 20 trapiches como o da avenida Beira-Mar Norte. A carência existe em lugares da Ilha como em Santo Antônio de Lisboa, Ribeirão da Ilha, e no Continente.

— Locais como Coqueiros, para atender à respectiva Via Gastronômica, e na Praia da Palmeira, próximo ao Iguaçu são pontos que viriam a preencher esta carência — afirma a associação.

Interdição

O antigo trapiche, agora em ruínas (já foi totalmente demolido), foi interditado pela Comissão Municipal de Defesa Civil de Florianópolis (Comdec), em 24 outubro de 2006.

A medida tinha caráter provisório e atendia a uma recomendação técnica do órgão por causa do comprometimento da construção. Havia rachaduras e os parafusos de fixação estavam enferrujados.

Com isso, as embarcações que usavam o local para embarque e desembarque de passageiros permaneceram no local. (com uma ponte inprovisada, por 4 anos…)

Por Ângela Bastos | angela.bastos@diario.com.br
Fonte: ClicRBS