Entrar



Archive for dezembro, 2010

Transporte marítimo: O exemplo de Porto Alegre

dezembro 20th, 2010 by

Ao contrário de Florianópolis (uma ilha), onde o prefeito diz que transporte pela água ligaria nada a lugar nenhum, Porto Alegre dá o exemplo.

A travessia do Guaíba, entre o centro de Porto Alegre e a cidade de Guaíba terá a opção de ser feita pela água, e pelo menos 30 minutos mais rápida que o transporte convencional, de ônibus.

Abaixo segue e-mail recebido via lista do popa.com.br. É um exemplo a ser seguido. Lembro de ter feito essa travessia quando criança para visitar uns primos que moravam em Guaíba. Espero um dia ver algo parecido aqui em Florianópolis.

Sent: Monday, December 20, 2010 12:21 PM
Subject: [POPACOMBR]: Travessia do Guaíba: Yeda assina contrato de concessão a bordo de catamarã



Travessia do Guaíba: Yeda assina contrato de concessão a bordo de catamarã
Empresa vencedora da licitação afirma que o serviço estará funcionando no final de março
Durou cerca de 24 minutos a travessia do Guaíba onde a governadora Yeda Crusius assinou o contrato de concessão com a empresa CatSul, braço gaúcho da Tapajós, do Grupo Ouro e Prata, vencedora da licitação. A embarcação partiu do armazém B-3 do Cais Mauá às 11h32min e atracou na rodoviária de Guaíba às 11h56min.

Na chegada, em Guaíba, houve brinde e queima de fogos. Emocionado, o prefeito do Município, Henrique Tavares, afirmou que agora a população terá um caminho livre.

— Há muitos anos esperávamos uma travessia tão tranquila. A população depende de uma estrada que tem uma ponte que sobe, mas que nem sempre desce — disse.

Do tipo catamarã, com casco duplo, o veículo tem 18 metros e foi testado no Rio Jacuí. O modelo, com capacidade para 120 passageiros, oferece poltronas estofadas, TVs de LCD e ambiente climatizado. Em entrevista ao programa Gaúcha Atualidade nesta segunda-feira, diretor-presidente da Ouro e Prata, Hugo Fleck, destacou que o serviço será iniciado com regularidade 120 dias após a assinatura do contrato.

A previsão inicial é que a travessia aconteça a cada 30 minutos e pode variar de acordo com a demanda. Segundo Fleck, a maior vantagem do barco Catamarã em relação ao ônibus é o tempo, além de liberar o usuário da dependência da ponte do Guaíba.


No CONJUMINANDO tem um vídeo do catamarã em ação!!!!!!
.

Tá, e o turismo?

dezembro 18th, 2010 by

Publicado em 01/11/2010 no site da ACATMAR


O @ernesto_floripa, que é sambista de uma nota só (no bom sentido), tá cobrando, no tuíter, que eu mande uma cartinha pro CGC (Caro governador Colombo), falando do turismo.

Ora, o Colombo, que é de Lages, certamente sabe que, durante muito tempo, todas as araucárias daquela região desciam a serra em caminhões articulados, para serem embarcadas para o mundo no porto que existia logo ali, embaixo da ponte Hercílio Luz.

Portanto, isso de navegar no canal da baía norte, não deve ser novidade pro governador. E a possibilidade de que essa ilha-capital receba, em bons e adequados trapiches oceânicos, os grandes navios de turismo, também não deve ser alguma coisa estranha ao lageano bonachão que os catarinenses elegeram para substituir o joinvilense esquisitão.

O turismo, em Santa Catarina,é mais do que um programa de governo ou um projeto administrativo: é uma vocação. O governo só precisa cuidar para treinar a mão de obra, puxar as orelhas dos maus comerciantes e mostrar, aos prefeitos, que eles lucram mais tratando bem o turista, do que assaltando os visitantes.

O turismo, como alguns já sabem, é atividade de longo prazo. O lucro não está no que conseguimos arrancar hoje do turista, mas nos turistas que conseguimos fazer que voltem no ano que vem e no ano seguinte. E para isso, é preciso ter mão de obra especializada, empresários com os pés no chão e governo esperto. No bom sentido.

Tem muita gente que já sabe lidar com os turistas, em SC. E tem muito turista que volta sempre, porque é bem tratado. Só precisamos fazer com que aquela turma que não tem noção, também aprenda a trabalhar e que a maioria dos turistas volte. Para isso, o governo não pode fazer que não vê. Nem pode fazer que não é com ele.

O nativo que ainda sonha com a Florianópolis dos anos 50 e 60, precisa acordar: aquela cidade acabou, O tempo passou e hoje a realidade é outra. A maioria dos novos habitantes da capital e arredores nem sabe quem foi o Lagartixa, ou o Avevu e Miramar, pra eles, é expressão de argentino.

Mas ainda é possível garantir uma certa qualidade de vida. Mesmo numa cidade turística, que atrai gente de todos os continentes. Basta eleger, para administar a cidade e o estado, pessoas com alguma formação humanística, alguma cultura geral, que entendam que o turismo gosta de coisas autênticas, de coisas originais e despreza modernismos, concreto e prédios altos ocupando todos os espaços.

Ah, e que, numa ilha, é importante poder chegar e sair pelo mar. Passear de barco. Visitar de navio. E, nos restaurantes, ver o mar.

Numa ilha em que todos os restaurantes estão de costas para o mar, onde tem à beira-mar (em Jurerê) uma churrascaria !!!, e onde é impossível atracar um navio, certamente há muito o que fazer. Mas tenho certeza que o novo governador, se quiser, poderá mostrar que o fato de ser lageano não atrapalhará em nada o modo como ajudará Florianópolis a florescer.

Conheça mais sobre a Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim

dezembro 17th, 2010 by

Local faz parte do sistema triangular de defesa que protegia a capitania de Santa Catarina

As muralhas espessas e as edificações dispersas em diferentes níveis foram construídas com matérias-primas da própria região, com exceção dos elementos de cantaria e do lioz – uma espécie de mármore português, que foi usado nas bases do canhões e nas escadarias. A Fortaleza de Anhatomirim – localizada na ilha de mesmo nome, em Governador Celso Ramos – tem traços de influência renascentista.

Com a construção iniciada em 1739 e concluída cinco anos mais tarde, a Fortaleza – junto com as  de São José da Ponta Grossa e a de Santo Antônio de Ratones – faz parte do sistema triangular de defesa que protegia a então capitania de Santa Catarina, governada pelo brigadeiro José da Silva Paes.

Localizada estrategicamente na entrada da Baía Norte, o forte, que oficialmente se chama Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim, nunca chegou a cumprir suas funções militares, nem mesmo quando o Brasil foi invadido por espanhóis, em 1777. Por causa disso, caiu em descrédito e ficou desativada até 1884, quando passou a ser utilizada como prisão.

Em 1907, a fortaleza passou a pertencer à Marinha e, 25 anos depois, em 1932, foi usada como prisão. Depois disso, foi usada como base até o final da segunda Guerra Mundial. Ao fim da guerra, porém, ficou obsoleta com o surgimento de novas tecnologias militares. Ainda sobre a tutela da Marinha, ficou desativada até 1960.

A partir daí, ficou praticamente abandonada até que, em 1979, a Universidade Federal de Santa Catarina assumiu a responsabilidade sobre a fortaleza, que reabriu para visitação em 1984. Hoje em dia, fica aberta de segunda a domingo, das 9h às 18h, pelo preço de R$ 8, com meia entrada para estudantes e entrada gratuita para crianças até cinco anos e idosos.

Como chegar:

O acesso à Fortaleza se dá, obrigatoriamente, pelo mar. No Km 185 da BR-101, em Tijuquinhas, é preciso andar mais oito quilômetros até a praia do Antenor. Lá, é possível encontrar algum barco disponível que faça a travessia, de 600m, até a Ilha de Anhatomirim.

Outra opção, saindo de Florianópolis – do trapiche da Beira Mar Norte ou de Canasvieiras –, são os passeios de escuna que navegam pela região.

Forte fica na Ilha de Anhatomirim, em Governador Celso Ramos – Juliana Herling

Fonte: HAGAH SC

Morre o empresário Victor Labbate

dezembro 16th, 2010 by

Infelizmente faleceu esta tarde o Victor Labbate, que estava internado no Hospital Regional do Litoral em Paranaguá. A informação foi divulgada no final da tarde.

Os pais dele, que estavam indo para Paranaguá, sofreram um acidente de carro no caminho (BR101), mas ainda não foi divulgada a gravidade do acidente.

Toda a força e solidariedade para a família e amigos.

Naufrágio mata dois na Terra do Fogo

dezembro 16th, 2010 by

Veleiro polonês perdeu energia e chocou-se contra rochas em tempestade.
Marinha da Argentina conseguiu resgatar cinco pessoas com vida.

Do G1, com AP

Destroços do veleiro polonês Nashachata são vistos na Baía Sloggett, no Estreito de Beagle, na Terra do Fogo, extremo sul da Argentina. O barco, que voltava de uma viagem pela Antártida, teve uma pane e acabou se chocando contra rochas durante uma tempestade na segunda-feira, matando Marek Radwanski, empresário do setor esportivo, e seu irmão Pawel, confirmou nesta quinta-feira (16) a Marinha da Argentina. Cinco pessoas que estavam a bordo foram resgatadas com vida pelos militares argentinos. (Foto: AP)

O iate polonês Nashachata é visto na terça-feira na Baía Sloggett, no Estreito de Beagle, na Argentina. O barco, que voltava de uma viagem pela Antártida, teve uma pane e acabou se chocando contra rochas durante uma tempestade na segunda-feira, matando Marek Radwanski, empresário do setor esportivo, e seu irmão Pawel, confirmou nesta quinta-feira (16) a Marinha da Argentina. Cinco pessoas que estavam a bordo foram resgatadas com vida.

Victor Labbate está em coma induzido no Hospital Regional do Litoral em Paranaguá, no Paraná

dezembro 16th, 2010 by

Empresário apresenta quadro de hipotermia e reage bem ao tratamento

Victor Labbate estava desaparecido desde domingo – Guarda Costeira

O empresário Victor Labbate segue internado no Hospital Regional do Litoral em Paranaguá, no Paraná. Ele está em coma induzido e apresenta quadro de hipotermia. Pescadores encontraram Labbate à deriva no início da tarde desta quarta-feira, no canal de Paranaguá.

De acordo com informações da colunista do Diário Catarinense Juliana Wosgraus, Labbate deve seguir em coma induzido por, pelo menos, mais 24 horas. Como havia muita água na lancha e o empresário estava vestindo apenas uma camiseta e bermuda, ele apresenta quadro de hipotermia, mas está reagindo bem aos cuidados médicos.

Apenas o pai dele, Dario Labbate, que é cirurgião, pode entrar na Unidade de Terapia Intensiva do hospital. O primeiro boletim sobre o estado de saúde do empresário deve sair nas próximas horas. A lancha em que Victor Labbate foi encontrado está sendo rebocada para a Capitania dos Portos em Itajaí e deve passar por perícia.

Labbate estava desaparecido desde o fim da tarde do último domingo. Ele saiu de lancha do Píer 33, em Biguaçu, e teria informado aos funcionários da marina que iria até Jurerê. Desde então, o empresário não foi mais encontrado.

DIARIO.COM.BR

Victor Labbate é levado para hospital em Paranaguá, no Paraná

dezembro 15th, 2010 by

Estado de saúde do empresário ainda é muito delicado


O empresário Victor Labatte deverá ficar internado no Hospital Regional do Litoral em Paranaguá, no Paraná. Ele recebeu os primeiros atendimentos ainda na lancha em que foi encontrado, no canal do Paranaguá, e assim que chegar no porto será levado por uma ambulância para o hospital. Uma embarcação praticagem — usada para manobrar os navios — está levando a lancha do empresário até o porto.

Segundo o comandante da Capitania dos Portos, Juares Pereira de Mello, Victor ainda está desacordado e seu estado de saúde é muito delicado.

DIARIO.COM.BR

Notícias recentes de Victor Labbate. Ele está internado no Hospital Regional de Paranaguá, no Paraná, em coma induzido. Ele estava com hipotermia, afinal saiu de casa usando bermuda e camiseta de manga curta e estava no mar desde domingo. A lancha, quando ele foi encontrado hoje, no final da manhã, tinha muita água, não o suficiente pra afundar, mas bastante para agravar seu quadro.  Agora começando a reagir bem, continuará em coma induzido. A única pessoa da família que pode vê-lo na UTI é seu pai, Dario Labbate, que é cirurgião. O quadro clinico de Victor não deve mudar nas próximas horas.
Já a lancha está sendo rebocada para a Capitania dos Portos em Florianópolis, onde passará por uma perícia.

Blog da Juliana Wosgraus


Victor Labbate é encontrado com vida em Paranaguá, no Paraná

dezembro 15th, 2010 by

Desaparecido desde domingo, empresário está com a saúde bem debilitada

O empresário paulista Victor Labbate foi encontrado com vida no início da tarde desta quarta-feira no canal de Paranaguá, no Paraná. Segundo informações do sócio de Victor, Marcelo Preto, ele foi encontrado por pescadores da região. Ainda segundo Marcelo, ele está com a saúde muito debilitada.

Ainda não mais informações sobre o atendimento a Victor, mas segundo a colunista Juliana Wosgraus, em seu blog, o resgate estaria indo para o local onde ele foi encontrado.

Na manhã desta quarta-feira um banco que pertencia à lancha Valentina, foi encontrado próximo à Praia das Cordas e Tinguá, em Governador Celso Ramos, o que aumentou a certeza de que o empresário havia sofrido um acidente.

Victor Labbate estava desaparecido desde domingo quando pegou um lancha no Pier 33 em Biguaçu na Grande Florianópolis. Segundo o pai do empresário, Dario Labbate, o filho teria dito aos funcionários da marina que iria até Jurerê, um trecho que levaria no máximo 15 minutos, mas ele não foi mais visto desde então.

Os Bombeiros e a Capitania dos Portos iniciaram as buscas logo que forma informados do desaparecimento. Um helicóptero vindo de Rio Grande do Sul e um navio-patrulha vindo do Paraná ajudaram na procura ao empresário.

DIARIO.COM.BR

Buscas a empresário desaparecido no litoral catarinense continuam nesta quarta-feira

dezembro 14th, 2010 by

Problema na embarcação ou um mal súbito de Victor Labatte são as hipóteses levantadas

Atualizada às 20h37min

Felipe Pereira | felipe.pereira@diario.com.br

A intensificação nas buscas por Victor Labbate, 32 anos, que agora conta com quatro embarcações, um helicóptero e um avião, não surtiram efeito e o empresário continua desaparecido. Durante a noite desta terça-feira uma embarcação segue fazendo patrulhamento na região e, na quarta-feira, o trabalho continuará com os demais barcos, aviões e helicópetos.

Labbate sumiu no domingo, às 18h30min, quando saiu com uma lancha de uma marina em Biguaçu para a Praia de Jurerê, em Florianópolis. O trajeto é considerado tranquilo, mas a Marinha informou que as condições de navegação no dia não eram ideais.

O capitão dos Portos de Santa Catarina, Capitão de Mar e Guerra Marcelo Santiago Garcia, disse que na manhã desta terça-feira as buscas se concentraram na Baía Norte. As duas lanchas enviadas pela Marinha fizeram uma varredura na região da Ilha do Arvoredo. Ele declarou que a direção dos ventos empurraria a embarcação ou possíveis destroços nesta direção.

Durante a tarde, os homens que trabalhavam nas buscas mudaram um pouco a rota e, às 15h, estavam em frente à Praia da Joaquina, em Florianópolis. Um navio patrulha que estava em Paranaguá (PR) reforça a operação. Ele vai vasculhar aquela área porque as correntes marítimas empurrariam a lancha ou eventuais destroços para a região.

A Força Aérea Brasileira autorizou um avião Bandeirante a sobrevoar o Litoral Norte de Santa Catarina pelo mesmo motivo. Também pelo ar as buscas ocorreram com um helicóptero que sobrevoou a Baía Norte.

O capitão dos Portos de Santa Catarina trabalha com a hipótese de um problema na embarcação ou o empresário ter sofrido um mal súbito. Ele afirmou que no domingo havia vento forte e o mar estava agitado. O cenário não era o ideal para navegar.

O Grupo de Busca e Salvamento enviou um barco inflável com dois bombeiros para a Baia Norte. O chefe de Salvamento, sargento André Luiz Cardoso, acredita que Victor estava sem comunicação no momento que saiu de Biguaçu. A lancha não tem rádio e ele deixou o celular no carro. Todas as marinas do litoral catarinense e a Capitania dos Portos de Florianópolis e Itajaí foram avisadas sobre o desaparecimento.

Victor é dono de uma locadora de lanchas que funcionava no Pier 33, em Biguaçu, marina de onde partiu no domingo. O amigo Marcelo Pretto contou que o empresário tem bastante experiência e navega há pelo menos 10 anos. A embarcação que ele estava foi comprada cerca de 45 dias atrás.

Tratamento diferenciado

— Toda a vida não tem preço e o empresário Victor Labbate merece o tratamento que está recebendo — diz o presidente do Sindicato dos Pescadores de Santa Catarina, Osvani Gonçalves.

Mas ele reclama que quando alguém da categoria some no mar a Marinha não põe em ação helicóptero, navio patrulha nem pede apoio do avião da Força Aérea Brasileira. Ele ressalta que não é uma crítica ao trabalho, apenas um pedido que a magnitude da operação seja estendida a todos os casos.

O chefe do Departamento de Segurança do Tráfego Aquaviário, comandante Juarez Pereira de Mello, garante que todos os chamados são tratados da mesma maneira. Ele explica que todas as possibilidades de buscas com as lanchas existentes em Florianópolis foram esgotadas. A procura nos possíveis locais onde o barco ou destroços estariam não deu resultado. O passo seguinte foi ampliar a área, mas para isso foi necessário reforço.

Mello lembra que o navio patrulha atua nas imediações de Paranaguá (PR). O helicóptero procura em locais muito distantes da costa, onde as embarcações existentes na Capital não podem chegar. Outro motivo apontado pelo comandante é a falta de informações sobre a posição da lancha do empresário. Ele explica que, quando um pescador tem problemas, as coordenadas são logo repassadas. A atuação imediata permite que as lanchas resolvam a situação.

Victor Labatte está desaparecido desde a noite de domingo - Arquivo pessoal

Mar Grosso

dezembro 14th, 2010 by

Aviso de mar grosso emitido pela Marinha do Brasil, deve prejudicar as buscas pela lancha desaparecida na região da Ilha de Santa Catarina.

AVISO NR 868/2010

AVISO DE MAR GROSSO

EMITIDO ÀS 1300 HMG – TER – 14/DEZ/2010

ÁREAS BRAVO E SUL OCEÂNICA ENTRE 30S E 25S E A OESTE DE 035W A PARTIR DE 160000 HMG.

ONDAS DE SW/SE 3.0/4.0 METROS PASSANDO 3.5/5.0 METROS NA ÁREA BRAVO.

VÁLIDO ATÉ 171200 HMG.

ESTE AVISO SUBSTITUI O AVISO NR 866/2010.