Entrar



Archive for fevereiro, 2011

Bom final de semana…

fevereiro 26th, 2011 by

Duas realidades…

fevereiro 24th, 2011 by

Em Itajaí…

Itajaí ampliará pier para cruzeiros marítimos

24 de fevereiro de 2011

A Superintendência do Porto de Itajaí lança na segunda-feira, 28, o edital para as obras da segunda fase do projeto de ampliação do Píer de Passageiros Guilherme Asseburg, no Centro Histórico de Itajaí. Essa fase prevê a ampliação em mais 1,2 mil metros quadrados com a consolidação de sala de espera com 564 lugares, mais sala de embarque e desembarque, área destinada à alfândega, check-in, check-out e áreas de apoio. Ainda serão feitos investimentos em equipamentos, a exemplo de detectores de metais e aparelhos de raio x para bagagens. Os investimentos projetados inicialmente devem chegar a R$ 2 milhões.

Blog do Moacir Pereira

.

Em Florianópolis…

Trapiche é do povo

24 de fevereiro de 2011

.

A Prefeitura de Florianópolis ainda não inaugurou (a previsão é para março), mas o povo já está usando o novo trapiche na Avenida Beira-Mar Norte, embora exista uma faixa de plástico dando a entender que não é para ultrapassá-la para entrar na nova obra. Tomara que, com a divulgação desta foto, o poder público não vá querer interditar o local até a o dia de cortar a fita…

Blog Visor
Fonte: ClicRBS

Piratas matam 4 americanos que navegavam em iate

fevereiro 22nd, 2011 by

Após o caso, ONU pede tribunal específico para julgar casos de pirataria somali

Arquivo Pessoal

O casal Jean e Scott Adam, que tinham iniciado uma viagem ao redor do mundo em dezembro de 2004

O casal Jean e Scott Adam, que tinha iniciado uma viagem ao redor do mundo em dezembro de 2004

Quatro americanos capturados por piratas somalis a bordo de um iate na sexta-feira passada foram mortos nesta terça, confirmaram fontes do Pentágono. A bordo estavam os donos da embarcação, o casal Jean e Scott Adam, que tinham iniciado uma viagem ao redor do mundo em dezembro de 2004, e seus convidados Phyllis Mackay e Rob Riggle. Pouco após o anúncio das mortes, a Organização das Nações Unidas (ONU) propôs ao o Comitê Político e de Segurança da União Europeia a criação de um tribunal especial para julgar os piratas da Somália.

Segundo o enviado especial da ONU para assuntos legais relacionados à pirataria na Somália, Jack Lang, a nova instância judicial operaria sob jurisdição somali. Teria, contudo, sua sede no exterior devido à instabilidade do país africano – possivelmente na Tanzânia. Lang sugeriu ainda que a missão aeronaval da UE contra a pirataria seja “mantida e renovada”, incluindo vias de ação que permitam aos navios militares “se aproximar mais das costas somalis, recuperar embarcações sequestradas em alto-mar e levar os piratas aos tribunais”. Lang ressaltou que acredita que o Comitê de Segurança da ONU aprovará “nas próximas semanas” uma resolução baseada em suas propostas, um documento “que deve ser claro e firme, e que servirá para abrir uma nova etapa na luta contra a pirataria”.

O sequestro – Os piratas tomaram o controle do iate Quest na sexta-feira passada, a 240 milhas náuticas do litoral do Omã, e se dirigiram para a costa da Somália. À uma hora da madrugada do horário local (3h de Brasília), negociações conduzidas pela Marinha americana estavam em curso para conseguir a libertação dos quatro reféns. Sem sucesso nas conversações, iniciou-se um tiroteio. Quando os militares americanos alcançaram a embarcação em busca dos reféns, descobriram que o grupo tinha sido executado pelos sequestradores.

Apesar das tentativas de reanimá-los, os quatro americanos morreram devido aos ferimentos, indicou a Marinha americana em comunicado. “Expressamos nossas mais profundas condolências pelas vidas inocentes perdidas cruelmente a bordo do Quest”, disse o general James N. Mattis, comandante do Comando Central dos Estados Unidos.

Dois piratas morreram durante o tiroteio e outros 13 foram capturados com vida – estes somaram-se a outros dois piratas que as forças americanas já tinham sob sua custódia. No registro do barco os militares americanos encontraram os corpos de outros dois piratas que, segundo indicaram, tinham morrido anteriormente. No total, acredita-se que 19 homens estavam envolvidos no sequestro.

Como nesse caso, atualmente, os piratas têm sequestradas dezenas de embarcações e mantêm mais de 800 reféns.  A pirataria nas águas do Índico custa cerca de US$ 7 bilhões anuais à comunidade internacional, enquanto o custo das medidas propostas pela ONU seria, segundo Lang, de US$ 25 milhões.

(Com Agência EFE)

Fonte: VEJA.com

Sérgio da Costa Ramos

fevereiro 21st, 2011 by

(F)Ilha amada

21 de fevereiro de 2011

Nada foi fácil para a Ilha de Santa Catarina e sua vila-capital, ao longo de uma saga de vitórias e de reveses e de muita gente torcendo contra.

O primeiro “empresário” a fincar os pés na Ilha foi o bandeirante Dias Velho, que apostou no Paraíso insular, voltando suas costas para os tropeiros, que passavam por Lages a caminho do Rio Grande. Trouxe o seu pequeno capital para começar uma colônia e decidiu empregá-lo aqui, cativado por tanta beleza.

Inebriou-se, conta a lenda, pelos seus ocasos sangrantes, que espalhavam cintilações sobre as duas baías e iluminavam, em mechas de vários tons, a cabeleira da Serra do Mar.

Em 1678, tudo o que havia era uma cruz e uma capela, marcando o centro do povoado de Nossa Senhora do Desterro. Nada seria fácil para o desenvolvimento da vida desterrense. Bucaneiros ingleses assassinaram o fundador em 1679, o que atrasou o povoado em pelo menos meio século. Foram cinquenta anos de indiferença da matriz portuguesa até 1738, quando razões estratégicas – a Ilha ficava exatamente no meio do caminho entre o Rio de Janeiro e o rio da Prata – fizeram Portugal anunciar a criação da Capitania de Santa Catarina e o “mais sofisticado sistema de defesa do litoral sul do Brasil”.

Desterro era, até então, uma cidade-fantasma, onde viviam menos de 200 almas. Foi preciso que um padre – frei Agostinho da Trindade – angustiado com a falta de rebanho, viajasse até Lisboa com a intenção de recrutar fiéis.

Apelou ao governo e conseguiu, a muito custo, atrair 461 retirantes açorianos, vivendo o inferno das terras vulcânicas e chamuscantes – e longos surtos de peste e de fome. Em 1746 eles começaram a chegar, com o estímulo da Coroa. Os casais imigrantes recebiam “ajuda de custo”, ferramentas, armas, animais e terras para cultivar na Colônia. Em 1759 eles eram 4.929 novos catarinenses, espalhados pela Ilha e pelo Continente – no Ribeirão, Lagoa, Santo Antônio, Canasvieiras, São Miguel, São José, Enseada do Brito, Garopaba e Laguna.

Como sede da Capitania e da Província, a Ilha sempre foi contestada. Em meados do mesmo século 18, o governador Manuel Escudero já pretendera levar a capital para o lado do Estreito – iniciando um processo de “interiorização”.

Mais de cem anos depois, Hercílio Luz, em seu primeiro mandato (1894), chegou a estudar o projeto de transferência da Capital para Lages, às margens do rio Canoas. Mas foi Hercílio quem consolidou a Ilha-Capital, construindo, no segundo e inacabado mandato, o maior “monumento” da América do Sul: a ponte pênsil, batizada com o seu nome.

O orçamento da obra engolia duas vezes o do Estado. Visionário, Hercílio insistiu na ponte, inspirado, talvez, pelas bruxas açorianas: ao invés de se mudar para o Continente, trouxe a terra firme para a Ilha.

Construiu não só este “elo”, mas um símbolo. A ponte tinha o quarto maior vão livre do mundo, perdendo, à época, apenas para a Brooklyn Bridge, a Williamsburg e a Manhattan, todas sobre o East River, em Nova York.

Substituindo Lauro Muller de 1918 a 1922, e reconduzido como titular até 1926, mandato que não completou, Hercílio ousou instalar a luz elétrica e até tentou um bonde à eletricidade – um tramway que ligaria a Capital aos seus distritos.

Floripa, se pensarmos só no radical flor – vinculando-o à natureza inigualável – não deixa de ser um bom nome, comparado com aqueles que tentaram nos impor: Ondina, Redenção ou Exiliópolis.

Hoje, é um refúgio cosmopolita. Até o The New York Times já capitulou: “É o lugar para se estar no verão” – assinou o repórter Seth Sherwood, em 2009.

Tem gente com dor de cotovelo. E há os que a amam e os que a traem.

Fonte: ClicRBS

Final de semana

fevereiro 20th, 2011 by

Com o sol e o calor, nada melhor do que sair para pescar, velejar ou mesmo dar uma corrida na beira do mar…

.

.

.

Sea Shepherd comemora!!!

fevereiro 18th, 2011 by

DIA da VITÓRIA para as baleias no Oceano Antártico

18 fevereiro 2011

Capitão Paul Watson e Malcolm Holland atendem ligações após o anúncio ser feito (Foto: Barbara Veiga)

Capitão Paul Watson e Malcolm Holland atendem ligações após o anúncio ser feito
(Foto: Barbara Veiga)

É oficial – A frota baleeira japonesa está deixando o Oceano Antártico. Pelo menos por esta temporada. Se eles retornarem na próxima temporada, a Sea Shepherd Conservation Society estará pronta para retomar os nossos esforços para obstruir e desativar as operações baleeiras japonesas.

“O Nisshin Maru fez uma mudança de rumo significativa imediatamente após o governo japonês tornar oficial que a frota baleeira foi chamada de volta”, disse o Capitão do Bob Barker, Alex Cornelissen. “Parece que eles estão indo para casa!”

O navio da Sea Shepherd, Bob Barker, estava perseguindo o navio-fábrica japonês Nisshin Maru desde 09 de fevereiro, o que torna impossível para os baleeiros continuarem suas operações de caça.

“Tenho uma equipe de 88 pessoas muito felizes, de 23 nações diferentes, incluindo o Japão, e eles estão absolutamente encantados que os baleeiros estão indo para casa, e o Santuário de Baleias do Oceano Austral é agora, de fato, um santuário real”, disse o Capitão Paul Watson.

O piloto Chris Aultman e o voluntário Mark Cullivan em um abraço emocionado (Foto: Barbara Veiga)
O piloto Chris Aultman e o voluntário Mark Cullivan em um abraço emocionado
(Foto: Barbara Veiga)

Os navios da Sea Shepherd, Steve Irwin, Bob Barker e Gojira, permanecerão no Oceano Antártico para escoltar os navios japoneses para o norte. “Nós não vamos deixar o santuário de baleias até o último navio baleeiro partir”, disse o capitão do Gojira, Locky MacLean.

“Esta é uma grande vitória para as baleias”, disse o Capitão Paul Watson. “Mas nós não fizemos isso sozinhos. Sem o apoio do povo da Austrália e da Nova Zelândia, não teríamos sido capazes de organizar estas viagens por sete temporadas, dos portos da Austrália e da Nova Zelândia. Somos gratos ao senador Bob Brown e ao Partido Verde australiano. Somos muito gratos ao senhor Bob Barker, por nos dar o navio que forçou a frota japonesa a deixar essas águas. Somos gratos a todos os voluntários e nossos membros de apoio. Somos gratos à Marinha do Chile e ao governo da França por seu apoio. É um dia muito feliz para todos os povos que amam as baleias e os oceanos”.

É oficial – a matança de baleias no Santuário de Baleias do Oceano Antártico acabou por esta temporada, e os baleeiros não atingiram nem 10% da sua quota. A Sea Shepherd estima que mais de 900 baleias foram salvas este ano.

“É um grande dia para as baleias”, afirmou a Chefe de Cozinha da Sea Shepherd no Steve Irwin, Laura Dakin, de Canberra, na Austrália. “E é um grande dia para a humanidade!”.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.

Fonte: Sea Shepherd

Navio vaza petróleo na única reserva marinha da Noruega

fevereiro 18th, 2011 by

O navio de carga islandês Godafoss, que encalhou em Fredrikstad na noite de quinta-feira, carregava óleo, que vazou. Foto: Reuters

O navio de carga islandês Godafoss, que encalhou em Fredrikstad na noite de quinta-feira, carregava óleo, que vazou
Foto: Reuters

Autoridades norueguesas lutavam nesta sexta-feira para conter um vazamento de petróleo depois que um navio islandês, carregado com centenas de toneladas de combustível, encalhou na única reserva marinha da Noruega.

O vazamento de petróleo atingiu na tarde da última quarta-feira a frágil linha costeira em pelo menos dois lugares do parque marinho Ytre Hvaler, hábitat de uma grande variedade de aves e espécies marinhas, bem como de corais de água fria, informou em um comunicado a Administração Costeira Norueguesa (NCA, na sigla em inglês).

No fim da tarde desta sexta-feira (hora local), a NCA destacou, no entanto, que o vazamento não era tão sério quanto se pensou inicialmente.

O navio Godafoss, transportando um total de 800 toneladas de petróleo, bateu na rocha de um coral na noite de quinta-feira, perto da embocadura do fiorde Oslo, logo após deixar o porto na cidade de Fredrikstad (sudeste) a caminho de Helsingborg, no sul da Suécia.

Uma quantidade ainda indeterminada de combustível vazou dos tanques alinhados dos dois lados do petroleiro, cada um contendo 250 toneladas.

“Aparentemente o vazamento foi contido”, disse a jornalistas Johan Marius Ly, chefe de operações da NCA. Autoridades norueguesas e suecas mobilizaram navios anti-poluição, rebocadores, dois aviões de vigilância e helicópteros para acompanhar a situação.

Barreiras flutuantes também foram montadas em torno do navio para limitar os danos. De propriedade da empresa islandesa de navegação Eimskip, o Godafoss também transportava 439 contêineres, um dos quais contendo 12 toneladas de dinamite.

“Desde que tenha sido carregada corretamente e não haja fogo, não há risco de explosão”, disse Ly. As condições atmosféricas eram consideradas relativamente favoráveis para a realização de trabalhos de limpeza, com mar calmo e ventos moderados.

No entanto, grupos ambientalistas alertaram que os riscos são grandes. De acordo com o Fundo Mundial para a Natureza (WWF), mais de seis mil espécies marinhas vivem na região, inclusive 220 que integram as listas norueguesa e sueca de espécies ameaçadas.

“O WWF pede às autoridades que proíbam todo tráfego marítimo nas zonas mais vulneráveis, que o petróleo seja proibido como combustível e que isto influencie decisões relativas à produção de petróleo em regiões vulneráveis”, destacou o grupo em um comunicado.

O parque Ytre Hvaler, que foi criado em junho de 2009 e se estende por 354 km², é a única reserva marinha da Noruega e se situa não muito longe do parque nacional marinho de Kosterhavet, na Suécia.

phy/nl/mvv

Fonte: Terra

Schaefer Yachts inaugura loja em Balneário Camboriú, Santa Catarina

fevereiro 17th, 2011 by

Da assessoria de imprensa

A Schaefer Yachts inaugura sua nova loja na Marina Tedesco, em Balneário Camboriú, Santa Catarina, nesta quinta-feira, dia 19, com um coquetel para os convidados.

Nos dias 19 e 20 de fevereiro, das 10h às 18h, os barcos estarão a disposição para visitação e tests drive.

Líder nacional nos barcos de 50 pés ou inferiores – a Schaefer Yachts exporta até para países de tradição náutica milenar, como Noruega e Suécia. Seu estaleiro fica em Palhoça, também Santa Catarina, e é fabricante das famosas lanchas Phanton.

A Marina Tedesco foi inaugurada em setembro de 2006, com uma área de 33 mil m², possui capacidade para abrigar até 450 embarcações, de 15 a 100 pés. Desde então, já foram investidos mais de 20 milhões em infraestrutura e serviços que a destacam no cenário náutico nacional.

A nova loja da Schaefer Marina Tedesco fica na Av. Normando Tedesco, 1350, Barra Sul, Balneário Camboriú, Santa Catarina.

A Schaefer estará presente no Rio Boat Show 2011, que acontece de 27 de abril a 3 de maio, na Marina da Glória.

Fonte: Revista Náutica

MP consegue aumentar pena de homem que atropelou criança com jet ski em Florianópolis

fevereiro 17th, 2011 by

Vítima de 9 anos ficou com sequelas nas atividades motora e comunicacional

Um homem acusado de atropelar uma criança com um jet ski em Florianópolis teve a pena de seis meses de reclusão aumentada para 3 anos e quatro meses. O Tribunal de Justiça de Santa Catarina acolheu o recurso do Ministério Público que pedia a revisão da pena.

O aumento ocorreu, conforme decisão do TJ, porque a vítima, um menino de 9 anos, é menor de 14 anos. Além disso, houve também dolo eventual, quando o dolo é em virtude da conduta do acusado. A determinação da Justiça foi substituída por prestação de serviços comunitários, pelo mesmo período, e multa de cinco salários mínimos.

Conforme os autos, o acusado guiava um jet ski na praia de Canasvieiras na tarde de 28 de dezembro de 2001 sem habilitação.

Quando fazia manobras em alta velocidade invadiu a área destinada aos banhistas e atingiu o menino.

Testemunhas relataram que ele fugiu do local sem prestar socorro. Os machucados no garoto foram tão sérios que ele ficou com sequelas nas atividades motora e comunicacional.

— O que se viu foi que ele (o acusado), não possuindo prática na condução do veículo, assumiu os riscos de pilotá-lo, em um dia da alta temporada, mesmo observando a presença de inúmeros banhistas — ponderou o relator do processo, desembargador Irineu João da Silva.

O sentenciado ainda pode recorrer aos tribunais superiores.

DIÁRIO CATARINENSE

Titanic

fevereiro 17th, 2011 by

Para saber mais sobre o navio, clique aqui.