Entrar



Em Florianópolis, transporte marítimo está encalhado

quarta-feira, novembro 24th, 2010 by

Enquanto Palhoça sonha com novo sistema, Capital amarga frustrações

Luiz Eduardo Schimitt | luiz.schmitt@horasc.com.br

Discutidos há mais de 20 anos, os projetos de implantação de tranporte marítimo na região metropolitana da Capital estão engavetados. Segundo o Deter, só saem do papel com decisão política. Nos últimos dias, a prefeitura de Palhoça deu o primeiro passo para implantação de um sistema de transporte marítimo na cidade.

A proposta virou lei e, dentro de duas semanas, uma empresa poderá ser escolhida para operar os barcos, sem licitação, em caráter emergencial. Se sair do papel, a iniciativa, que ainda depende da autorização de outros órgãos, será uma exceção em uma corrente de projetos frustrados, que até agora naufragaram na região metropolitana da Capital. O motivo, em todos eles, foi semelhante: falta de vontade política.

O abandono do trapiche da Baia Sul, próximo ao CentroSul, hoje utilizado apenas por gaivotas, é uma prova material do descaso. As primeiras ideias surgiram no início da década de 1990. Em 1993, foi aprovada uma lei municipal que criava o transporte coletivo hidroviário na Capital, operado pela iniciativa privada.

No mesmo ano, o Departamento Estadual de Terminais Rodoviários (Deter) homologou a contratação de uma empresa para operar o sistema, que ligava Florianópolis às cidades vizinhas, a partir do trapiche. Porém, por falta de entendimento entre o governo estadual e a empresa, sobre quem iria construir os terminais de embarque e desembarque, o projeto afundou.


Muito dinheiro, pouca ação

Após o episódio, o Deter se empenhou em estudar a viabilidade financeira, econômica e técnica para o sistema na região metropolitana. Em 2002, a proposta eram 11 embarcações, com capacidade para 125 pessoas, com ligações entre Palhoça, São José, Biguaçu e Florianópolis. A infraestrutura seria bancada pelo governo. Porém, a tarifa seria mais cara que a do transporte viário, o que não atraiu a iniciativa privada.

Nos anos seguintes, outro estudo foi feito, agora testando duas linhas, entre a Capital, São José e Biguaçu, com investimento estimado de R$ 35 milhões, incluindo a estrutura necessária. O projeto segue engavetado.

Governo é quem decide
Segundo o diretor de transportes do Deter, Ademir Machado, o assunto “não foi adiante” no órgão. Para Ademir, existe viabilidade para o transporte marítimo, mas falta voltade política. O diretor diz que o transporte rodoviário está muito “estruturado” na região, com 45 empresas e uma frota total superior a 2000 veículos.

– Isso é uma decisão política. Tem que ter parceria público-privada, com subsídio do governo – explica.

O secretário de transportes da Capital, João Batista Nunes, conta que no início deste ano foi montada um grupo de técnicos para elaborar um novo projeto, visando a licitação do tranporte marítimo na cidade. Não tem prazo para conclusão dos trabalhos.

– O projeto do Deter está ultrapassado. Temos que buscar a viabilidade econômica – defende.


Joinville também tentou

Durante seis meses, no ano passado, o JetBus, embarcação para 84 passageiros, foi operada em Joinville, no Norte do estado. A tarifa era R$ 11. O governo do Estado investiu no terminal e passou a operação à empresa JetBus. Mas somente nas marés altas o barco fazia o trajeto até São Franscisco do Sul. A falta de dragagem prejudicou a operação. O problema comprometeu a lucratividade da empresa, que se mudou para Paranaguá (PR).

Gaivotas são as únicas que usufruem do trapiche da Baía Sul – Raquel Heidrich / clicRBS
Fonte: ClicRBS

Comments are closed.